Categoria: Corridas

Realismo mágico nas águas do Araçá

Em resposta a um comentário de Marcelo Sabin, que desde Porto Alegre acompanha as linhas tortas deste blogue, a propósito do meu último artigo, escrevi o seguinte: “Esta é uma das razões pelas quais, diferente de usar celular, não deixo de correr: mesmo que o trajeto seja sempre igual, a paisagem é sempre diferente”.

Não se trata de força de expressão, como a vez seguinte em que vesti os trapos que costumo chamar “meus tênis de corrida” e pus o pé na estrada, novamente sentido Araçá, facilmente constatou.

Ler mais

Surpresa na estrada

Tem vezes em que lamento a minha teimosia de não querer usar celular. A principal delas é quando me deparo com uma cena incrível e não tenho o maldito aparelho para fotografar.

Aconteceu ontem mesmo: fazia uma corrida quase no final do dia, maltratando as articulações após uma semana inteira de letargia, quando tive uma surpresa na estrada.

Ler mais

Corrida de adeus à Costeira

“Aí, Dil… Cadê o número?”, perguntou o Fabrício, fotógrafo que cobria a subida do Morro de Zimbros para o Foco Radical, site que faz fotos dos corredores nas provas da região.

Costeira 1

O amigo Marcos passeia numa ainda intacta Costeira com a filha Laura: privilégio que o progresso pode levar

Não havia número. Em que pese a excelente organização da sétima edição do Indomit Vila do Farol (15/08), uma já tradicional maratona realizada nas picadas de Bombinhas, meu orçamento não contemplava os quase 300 reais da inscrição. Fui, como os praticantes dessa “modalidade” chamam, “de pipoca”.

Resolvi correr à revelia dos organizadores, primeiro, para acompanhar o Cezinha, parceiro em quase todas as provas que tenho feito. Contratado para tocar na prévia da competição, o Cezinha se inscreveu para o revezamento, rachando os 42 quilômetros com outro músico, o Guto.

O percurso, com alguma variação, já tínhamos feito antes. Mas nunca para valer. Daí que resolvi ir de penetra. Como penso que a discrição é uma prerrogativa de quem fura a festa alheia, procurei me manter na moita, coisa até simples de fazer no meio de uma massa de mil corredores. E não houve qualquer embaraço na primeira meia dúzia de quilômetros, até que, saindo da praia do Centro e passando pela de Bombas, subimos a Martim Pescador em direção ao Zimbros. Foi lá, no morro, que o Fabrício me desmascarou.

Com uma série de impropérios na ponta da língua – devidamente contidos – passei pelo fotógrafo no topo do morro, perto das antenas, com o Cezinha subindo logo atrás, e mais um montão de corredores oficiais mais abaixo. Dali em diante, boa parte da prova seria feita no meio do mato, em direção à Costeira. Ela, o segundo motivo pelo qual participei do desafio.

Momentos antes da largada, um grupo de moradores realizava um ato pela preservação da Costeira. Distribuíam fitas verdes para os corredores, que de bom grado aderiram ao movimento. Ao longo da trilha e na chegada à praia da Lagoa, topamos com mais alguns abnegados, que faziam barulho e exibiam faixas. Torço por eles, mas temo pela causa.

Faz pouco mais de dois meses e meio, a prefeitura de Bombinhas divulgou um projeto de captação de água na Costeira. Recurso escasso no município, especialmente no verão, tem de sobra naquela região. Daí a ideia de puxar um pouco da água dos mananciais que descem as cachoeiras em vários pontos dos seus sete quilômetros de extensão. Para fazer isso, porém, é preciso abrir uma estrada onde hoje há uma trilha – a mesma usada pelos corredores do Indomit.

A proposta não foi bem aceita por moradores tradicionais do bairro de Zimbros. Sua preocupação é justificada, pois não é de hoje que ideias progressistas rondam a Costeira. Já se pensou em resolver a questão do segundo acesso do município construindo uma estrada por ali. O plano foi barrado pela população, temente que a obra servisse aos interesses da especulação imobiliária e toda a região fosse seriamente impactada. Pelo mesmo motivo, fazem barulho agora: a estrada pode esconder nova investida de quem vê questões ambientais como empecilho ao “progresso”. Logo em Bombinhas, que se autoproclama capital do ecoturismo e cobra dos visitantes uma taxa de preservação ambiental…

Ao que parece, o plano da barragem foi adiado. Não duvido, porém, que volte a ser colocado em pauta, nem que, cedo ou tarde, o maquinário da Casan atravesse as trilhas da Costeira. Pessimismo? Espero ser desmentido pelos fatos, mas nesses tempos de descaso absoluto com o meio ambiente, em que vemos a Amazônia encolher a níveis alarmantes pela ação de madeireiros e pecuaristas, usinas sendo construídas a um custo altíssimo para as comunidades tradicionais e indígenas, e tudo o que parece importar são obras milionárias e ocupação de áreas que deveríamos proteger, não vejo como santuários feito a Costeira resistam por muito tempo.

Por isso, corri para me despedir da Costeira. Fiz os 21 quilômetros, descendo pelas trilhas sulcadas numa pressa imposta pelos que desciam sem freios logo atrás, mal podendo apreciar a paisagem, afundando os pés nas praias agrestes mais belas do município, e cheguei, tentando acompanhar o Cezinha e sob um sol impiedoso, no final da praia de Canto Grande. Valeu a pena. Independente do que venha a ocorrer, parece-me correto acreditar que essa Costeira não será a mesma que a minha filha virá a conhecer. Que fique, ao menos, intacta na memória.

Suor pelas trilhas da Costeira

“Dil, vamos correr uma de 30 devagarzinho amanhã, 6 horas da matina?”, convidou, pelo Facebook, o Coveiro. Era segunda-feira (20), um dia após a Meia Maratona de Balneário Camboriú. “Vamos na Santa Luzia e depois a trilha até o Zimbros”, detalhou o amigo, músico e viciado em corridas. As pernas ainda estavam moídas pelo esforço de domingo, mas só me ocorreu uma coisa para responder: “Simbora!”

costeira-1

Selfie no morro de Santa Luzia. Ao fundo, Tijucas

Assim, antes que começasse a clarear, enquanto quase todo mundo aproveitava o feriado de Tiradentes para amaciar um pouco mais o travesseiro, fiz o primeiro pit stop no Cezinha, cúmplice nesse estranho ritual de autoimolação, e dali partimos para a casa do André. Trio reunido, dia clareando, seguimos rumo a Santa Luzia.

A primeira etapa da jornada ocorreu sem problemas. Chegamos ao pé do morro que liga aquele bairro de Porto Belo à Costeira de Zimbros e iniciamos a subida, que é íngreme, caminhando. A partir dali, seria uma tortuosa jornada subindo e descendo por trilhas que já se tornaram velhas conhecidas dos praticantes de corridas de aventura. As provas do gênero que acontecem na península passam por ali. Mas a minha relação com a Costeira vem de antes disso.

Em 1999, o finado jornal Pirão d’água realizou uma de suas mais memoráveis coberturas. Na época, havia uma polêmica em torno de uma proposta da prefeitura de Bombinhas. O executivo queria alterar o zoneamento daquela área para permitir a construção de uma “estrada panorâmica” que ligaria o município à BR 101 ― e de quebra, construções até 100 metros acima do nível do mar. Era a chamada Cota 100.

“Uma das regiões de maior beleza e importância econômica do município de Bombinhas, aproximadamente sete quilômetros de mata Atlântica, vegetação de costão e floresta quaternária, emoldurados por rochas, pequenas lagoas e praias quase intocadas”, assim descreveu o jornal aquele trecho de solo bombinense, que, sem dúvida, possui uma das mais belas coleções de praias agrestes do Estado.

Na ocasião, a pressão popular, comandada por associações de bairro e ambientais da cidade, freou a proposta. Por causa disso, quinze anos depois, pudemos reencontrar a famosa Gruta do Padre Jacó e beber da água límpida e abundante que escorre pelas pedras, numa pausa bem-vinda depois dos primeiros dez quilômetros. A luz filtrada pelas folhas iluminava a trilha em raios “bíblicos”, atenuando o cansaço de quase duas horas de esforço e sobe e desce constante, se equilibrando no terreno acidentado e escorregadio, tarefa especialmente penosa quando se tem o joelho um tanto avariado. Imaginar que uma região como aquela corria (corre) o risco de desaparecer, com a quantidade de mananciais que há e a crise hídrica que inferniza as altas temporadas, só comprova a nossa incapacidade de antecipar desafios futuros ― para dizer o mínimo.

costeira-2

André e Cezinha na Praia Vermelha: “Natureza nativa”

A Costeira, nesta época do ano, é o que se pode chamar de santuário. Quase ninguém perturba a tranquilidade das praias de areia branca e água cristalina. Nessa manhã, apenas três cansados corredores tropeçavam pela orla, um ou outro pescador ocasional empoleirava-se no costão e os pássaros podiam cantar à vontade. Na praia Triste, quando estive lá por volta de 2003, vivia José Osnildo Soares. Naquela ocasião, eu o entrevistei para o jornal da faculdade: “Seu Osnildo conta que vive sem energia elétrica, geladeira ou televisão, só o acompanha um radinho a pilha. Nas noites da Costeira, percorre a propriedade apenas com uma vela ou lanterna. ‘Aqui é na base do Deus nos acuda’, diz. Os mantimentos busca em Santa Luzia, uma vez por mês. Ele caminha pela trilha e leva uma hora até chegar ao mercado mais próximo. A encomenda chega de barco. Muito do que come, entretanto, ele planta ou pesca. A rede que ele mesmo confeccionou fica imersa em frente de casa. Os pescadores da região é que a lançam ao mar, pois seu Osnildo não sabe nadar”. Na oportunidade, aos 52 anos, completava “dez anos de solidão” na Triste. Nessa terça, não encontramos ninguém na casa.

Praticamente três horas depois de iniciar a corrida ― que para o Coveiro e o Cezinha serviu de preparação para os 42 e 21 quilômetros, respectivamente, do Vila do Farol Indomit, que ocorre dia 15 de agosto, e para mim como prova de que essa coisa de cirurgia no joelho é “para os fracos” ― chegamos à comunidade de Zimbros. Precavido, André havia atulhado a mochila com suplementos e água, mas ainda parou num mercadinho para reforçar o rancho, comprando coca-cola (um repositor eficiente, explicou-lhe a nutricionista) e água.

Nessa altura do desafio, com as pernas entorpecidas, os pés doloridos e o fôlego escasso, chegamos enfim ao pé do morro de Zimbros. O sol já batia forte e foi um martírio subir. Sentia-me como um hebreu atravessando o deserto. Com suas curvas acentuadas e grande inclinação, o morro de Zimbros é um desafio e tanto para qualquer corredor, por experiente que seja. Uma vez que se alcança o cume, ainda é preciso rezar para que os cães que guardam a Reserva Morro de Zimbros e a propriedade em frente não estejam do lado de fora da cerca.

Os cães ladraram, a caravana passou. Embalados pela descida, decidimos fechar o ciclo (que “não tem fim”, como diz a música do Uniclãs gravada pelos meus parceiros de corrida) e voltar até a casa do André ― considerando que deixamos o carro do Cezinha lá, não havia muita escolha. No final, quatro horas de corrida/caminhada, quase 30 quilômetros de percurso e a satisfação de superar um grande desafio. Para quem se habitua a correr dez quilômetros, o triplo disso parece uma enormidade. Chegar ao fim da jornada e confrontar a proeza que cometeu ― e ainda melhor, tendo com quem compartilhar ― é um prêmio saboroso. O risco é sempre o mesmo: o de viciar na adrenalina.

Seria isso “oferecer o corpo em holocausto”? Vai saber…

Meia maratona com um joelho só

“É, vai ter que operar”, concluiu o ortopedista, depois de ler o relatório da ressonância que descrevia, em detalhes, a ruína em que estava o meu joelho esquerdo. Ruptura completa do ligamento cruzado anterior. Ruptura do corno posterior do menisco medial. Colapso do osso subcondral na porção central do côndilo femoral. Edema ósseo na patela. Cirurgia e seis meses de recuperação. Três de fisioterapia. Três de fortalecimento muscular. Até lá, nada de fazer coisa alguma. Diante do estrago, o jeito foi pôr o nome na lista do mutirão que o médico promove no hospital em São João Batista, onde conserta joelhos por atacado e… correr os 21 quilômetros da 5ª Meia Maratona de Balneário Camboriú.

1939622_1098447846846617_4078793428394873343_o

Esta segunda decisão não foi tomada, na hora, lá no consultório. Na verdade, estava decidido a acatar a recomendação médica. Até que o parceiro de corridas e amigo Cezinha jogou a semente da discórdia. Aquela velha história: uma corridinha de leve, só pra ver como está, quem sabe? O joelho não dói, não incha, então… Uma ideia desprovida de bom-senso começou a fermentar na cabeça e, no sábado, fim de tarde, estava eu na Barra Sul para buscar o kit da prova, olhando a orla e pensando na burrice que estava prestes a cometer.

A prova ocorreu no último domingo, às 7 da manhã. A organização falou em 1.700 inscritos. Entre o pessoal de Porto Belo, estavam o André (Coveiro), o Maurício, o Aurélio (depois, encontrei também o Pablo). E o Cezinha, claro. O clima estava bom e o céu parcialmente nublado. Chegamos a poucos minutos da largada e não houve tempo para ansiedade. Logo estávamos nos movimentando em meio a uma turba que ocupava a Avenida Atlântica, rumo ao Morro da Rainha, o pior trecho da corrida.

tenis-2A boa notícia foi que o joelho não reclamou. E assim, Cezinha e eu, fomos avançando em bom ritmo. Em meia hora, já estávamos ao pé do morro. E ainda com fôlego para subir a trote. A descida foi um prêmio, mas havia um trecho inesperadamente longo até o retorno. Um pouco mais à frente, dobramos à direita em direção à praia Brava. O pessoal do pelotão da frente já cruzando com a gente no caminho de volta. Pela orla, meninas em roupa de baile, cara de sono, saindo das boates. Num carrão, quatro garotas. A motorista reclamou que queria tirar o carro e o pessoal atrapalhava. A turma ironizou a “madame” e ela passou xingando todos, para diversão geral.

Fizemos o retorno, as pernas já pesadas, o ritmo mais lento, o sol começando a esquentar. Uma hora e dez de prova. O morro de novo à frente. Desta vez, subir não foi tão simples. Antes do topo, tivemos que caminhar. Porém, tínhamos a descida para recuperar o fôlego e, nas nossas contas, conseguir o gás necessário para fechar a meia hora que faltava. Mas descer morro não é moleza, ainda mais com um joelho estropiado. Os músculos começaram a sofrer. Minhas coxas estavam em brasa e o Cezinha reclamava do tornozelo. Daí para frente, seria na raça.

Minha expectativa de ter pernas para chegar não se confirmou. Quando percebi que não teria condições de manter o ritmo, “liberei” o Cezinha e fiquei para trás. No quilômetro dezessete, tive que caminhar. Estava exausto, maldizendo a péssima ideia de ter vindo sofrer nesse asfalto tendo corrido apenas uma vez em quase um mês, até que uma das corredoras passou por mim e ordenou: “Vamos, vamos! Não para!” Embalado pelo incentivo, retomei o trote, mas as pernas já tinham virado gelatina. Minha expectativa era pelo menos chegar até a Praça Tramandaré, mas não havia jeito. Parei mais uma vez.

A partir daí, comecei uma disputa de tartarugas com outro corredor. Ele passava por mim correndo, mas logo parava, com dor nas costas. Eu passava por ele correndo e parava, esfalfado. E assim fomos. No caminho, os outros corredores incentivavam. Um deles me deu um gel de reposição energética. Agradeci a isso e aos postos de água da organização, que permitiram me arrastar até o fim. Os quilômetros iam diminuindo, dois quilômetros, um quilômetro. Quando corro por aí, vencer um quilômetro é quase como ir de carro à padaria. Uma moleza. Não nesse domingo. Por mais que tentasse manter um ritmo de corrida, as pernas desobedeciam, exigiam parar. Mas no trecho final ainda consegui dar um “pique” e concluir a prova dignamente, na 524ª posição, 2h17 de esforço. Numa exaustão quase absoluta. Do dedão até a coxa, as pernas absurdamente doloridas. Tudo doendo, menos o joelho.

Está aí uma boa desculpa para continuar fazendo bobagem… (desde que meu médico não saiba, claro)