Categoria: Meio Ambiente

A guerra dos canudos

Cerco se fecha sobre o utensílio de plástico. Na ilha de PB, o combate a esse inimigo já é regra desde 2016

A noite de sexta-feira chega sem que ninguém queira requentar comida para o jantar. Cecília, então, propõe a solução: “Comer um hambúrguer na Bel!”. Como manda quem pode, obedece quem tem juízo, partimos a família toda até a Bodega do Porto, encontrando-a ainda em início de expediente. Cumprimento o Carlos à boca da chapa, a Isabel com seu bloquinho de notas, e sigo para a geladeira à esquerda do balcão (o casal vende bebidas em regime de self-service). Depois de garantir a cerveja para a gente e os refrigerantes para dona Eli e Cissa, vou até o balcão buscar os copos. Levo a mão até o suporte onde estão os canudinhos de plástico para os refris quando ouço a Bete protestar: “Canudo não, né!”.

O episódio, trivial, demonstra como os canudos de plástico caíram em desgraça. Assim como as sacolas de supermercado, foram alçados à condição de inimigo público número um do meio ambiente — em especial, da fauna marinha. Uma má fama que começou a ser construída em 2015, com a divulgação na internet de um vídeo em que biólogos suam para extrair um canudo de dentro da narina de uma tartaruga marinha.

Ler mais

Corrida de adeus à Costeira

“Aí, Dil… Cadê o número?”, perguntou o Fabrício, fotógrafo que cobria a subida do Morro de Zimbros para o Foco Radical, site que faz fotos dos corredores nas provas da região.

Costeira 1

O amigo Marcos passeia numa ainda intacta Costeira com a filha Laura: privilégio que o progresso pode levar

Não havia número. Em que pese a excelente organização da sétima edição do Indomit Vila do Farol (15/08), uma já tradicional maratona realizada nas picadas de Bombinhas, meu orçamento não contemplava os quase 300 reais da inscrição. Fui, como os praticantes dessa “modalidade” chamam, “de pipoca”.

Resolvi correr à revelia dos organizadores, primeiro, para acompanhar o Cezinha, parceiro em quase todas as provas que tenho feito. Contratado para tocar na prévia da competição, o Cezinha se inscreveu para o revezamento, rachando os 42 quilômetros com outro músico, o Guto.

O percurso, com alguma variação, já tínhamos feito antes. Mas nunca para valer. Daí que resolvi ir de penetra. Como penso que a discrição é uma prerrogativa de quem fura a festa alheia, procurei me manter na moita, coisa até simples de fazer no meio de uma massa de mil corredores. E não houve qualquer embaraço na primeira meia dúzia de quilômetros, até que, saindo da praia do Centro e passando pela de Bombas, subimos a Martim Pescador em direção ao Zimbros. Foi lá, no morro, que o Fabrício me desmascarou.

Com uma série de impropérios na ponta da língua – devidamente contidos – passei pelo fotógrafo no topo do morro, perto das antenas, com o Cezinha subindo logo atrás, e mais um montão de corredores oficiais mais abaixo. Dali em diante, boa parte da prova seria feita no meio do mato, em direção à Costeira. Ela, o segundo motivo pelo qual participei do desafio.

Momentos antes da largada, um grupo de moradores realizava um ato pela preservação da Costeira. Distribuíam fitas verdes para os corredores, que de bom grado aderiram ao movimento. Ao longo da trilha e na chegada à praia da Lagoa, topamos com mais alguns abnegados, que faziam barulho e exibiam faixas. Torço por eles, mas temo pela causa.

Faz pouco mais de dois meses e meio, a prefeitura de Bombinhas divulgou um projeto de captação de água na Costeira. Recurso escasso no município, especialmente no verão, tem de sobra naquela região. Daí a ideia de puxar um pouco da água dos mananciais que descem as cachoeiras em vários pontos dos seus sete quilômetros de extensão. Para fazer isso, porém, é preciso abrir uma estrada onde hoje há uma trilha – a mesma usada pelos corredores do Indomit.

A proposta não foi bem aceita por moradores tradicionais do bairro de Zimbros. Sua preocupação é justificada, pois não é de hoje que ideias progressistas rondam a Costeira. Já se pensou em resolver a questão do segundo acesso do município construindo uma estrada por ali. O plano foi barrado pela população, temente que a obra servisse aos interesses da especulação imobiliária e toda a região fosse seriamente impactada. Pelo mesmo motivo, fazem barulho agora: a estrada pode esconder nova investida de quem vê questões ambientais como empecilho ao “progresso”. Logo em Bombinhas, que se autoproclama capital do ecoturismo e cobra dos visitantes uma taxa de preservação ambiental…

Ao que parece, o plano da barragem foi adiado. Não duvido, porém, que volte a ser colocado em pauta, nem que, cedo ou tarde, o maquinário da Casan atravesse as trilhas da Costeira. Pessimismo? Espero ser desmentido pelos fatos, mas nesses tempos de descaso absoluto com o meio ambiente, em que vemos a Amazônia encolher a níveis alarmantes pela ação de madeireiros e pecuaristas, usinas sendo construídas a um custo altíssimo para as comunidades tradicionais e indígenas, e tudo o que parece importar são obras milionárias e ocupação de áreas que deveríamos proteger, não vejo como santuários feito a Costeira resistam por muito tempo.

Por isso, corri para me despedir da Costeira. Fiz os 21 quilômetros, descendo pelas trilhas sulcadas numa pressa imposta pelos que desciam sem freios logo atrás, mal podendo apreciar a paisagem, afundando os pés nas praias agrestes mais belas do município, e cheguei, tentando acompanhar o Cezinha e sob um sol impiedoso, no final da praia de Canto Grande. Valeu a pena. Independente do que venha a ocorrer, parece-me correto acreditar que essa Costeira não será a mesma que a minha filha virá a conhecer. Que fique, ao menos, intacta na memória.

Estrada do Araçá: lixão com vista para o mar

O pessoal que caminha ou corre ao longo da via asfaltada que conduz ao Araçá nem precisa usar o olfato para perceber que há algo de podre naqueles três quilômetros e pouco de trajeto costeiro. Basta uma olhada simples para constatar que o percurso está se tornando um verdadeiro lixão.

Não se dá cinco passos sem que se veja no acostamento uma lata de cerveja, uma garrafa plástica ou outra porcaria largada em meio ao mato rasteiro. A quantidade de lixo é impressionante.

Um pouco mais à frente, o descaso não apenas impressiona, mas revolta. Próximo ao Araújo, rolando pela encosta, temos um lixão na pior acepção da palavra. Metros de redes de pesca, móveis velhos e outros objetos são jogados ali sem a menor cerimônia.

Umas duas curvas de morro adiante e temos o segundo “aterro sanitário”, um terreno baldio à margem da estrada que serve para que moradores do bairro descartem todo tipo de quinquilharia. O item mais absurdo se encontra dentro de uma caixa de Sedex: uma coleção de moldes de dentaduras, “encomenda” que os proprietários de uma clínica do Centro acharam bastante normal despachar naquele lugar. O endereço do “remetente” está na caixa para qualquer um ver.

20131223_172200
Sujeira acumulada em “aterro sanitário” à beira da estrada
20131223_172230
Coleção de moldes dentários jogado no “aterro sanitário” do Araçá. Será um caso de correspondência extraviada?

Acho que não é preciso nenhum exercício complicado de futurologia para imaginar o que vai acontecer com toda essa área se os abusos continuarem a ocorrer e não houver uma ação efetiva tanto para prevenir quanto para recuperar essa que é uma das belas paisagens do município.

Penso que algumas medidas são fundamentais, a começar por uma ação nas escolas do bairro visando conscientizar os menores e evitar que sigam o mau exemplo dos mais velhos. Quem sabe um mutirão de limpeza envolvendo alunos e com o suporte necessário do poder público?

Acredito também que seria interessante instalar algumas dezenas de lixeiras ao longo do trajeto, como lembrança para aqueles que viveram a última década em Marte e não ouviram ainda falar de consciência ambiental que atirar coisas pela janela do carro não demonstra apenas má educação; é um sinal de falta de civilidade e de respeito para com os outros.

Por fim, é preciso estabelecer sanções a quem pratica esse crime. Nada estimula mais o abandono dos vícios que uma bela espetada no bolso. Claro que se trata de uma medida antipática, que impacta as bases, coisa que nenhum legislador gosta de comprometer, embora seja seu dever. Porém, mesmo que não se concorde com os métodos, uma coisa é certa: não é possível que o problema continue a agravar debaixo dos narizes de todos sem que nenhuma medida seja tomada. Como está, os únicos visitantes que se comprazem da vista são mesmo os urubus…

Devíamos invadir a nossa praia

O pessoal da minha geração (e das anteriores) deve ter, como eu, um sentimento de nostalgia com relação à praia do centro de Porto Belo.

Um par de décadas atrás, o trecho de areia entre o trapiche dos pescadores e aquele amontoado de pedras onde havia o marco da Marinha era o lugar preferido para o namoro dos casais.

Caminhar pela praia era o programa romântico daqueles dias (melhor, noites), assim como era comum o pessoal dar voltas por lá, se reunir. Quase um caminho obrigatório antes das saídas de fim de semana.

Lembro disso porque, no meio da semana, percorremos a praia do Centro eu e o Cezinha, nosso grande amigo baixista, em uma corrida noturna (corridas têm se tornado um exercício frequente e bem-vindo).

Praia do Centro: Píer conferiu charme ao local

Constatamos como a praia está agradável, bem iluminada, o píer transformou o trapiche num local charmoso, atrativo. Porém, acho que ninguém em bom juízo se arriscaria a perambular pelo local à noite.

Sim, encontramos gente caminhando e uns garotos sentados numa mureta lá próximo do trapiche das escunas. Mas, fora os garotos, eram pessoas que talvez você preferisse evitar se estivesse sozinho…

Creio que a situação mudaria bastante se ocorresse por aqui o que acontece em Bombas, por exemplo, onde a praia é um espaço familiar, com gente praticando caminhadas, corridas, jogando aquele jogo com discos de madeira que lembra a bocha (se alguém souber o nome, por favor, me avise), entre outras atividades.

Será que o mesmo não poderia acontecer por aqui? Claro, se o Casarão estivesse operando durante a semana (ouvi boatos de que pensam em derrubá-lo, o que seria um crime – aliás, não seria uma ideia nova, já na época do Pirão enfrentamos essa possibilidade, mas é assunto para outro post) seria mais interessante circular por lá, mas creio que poderíamos, muito bem, aproveitar melhor esse espaço público, agora revitalizado, especialmente quando temos tão poucos locais de lazer.

Talvez pudesse haver um pouco mais de segurança e a praia do Centro voltasse a ser o ponto de encontro aprazível que um dia foi. Por que não, então, invadirmos a nossa própria praia?